Evandro e Solange Magalhães

Acompanhamos e, portanto, conhecemos a história da Fundação Sara e a consideramos uma das obras mais dignas que vimos em toda a nossa vida. E ao dizer digna, queremos nos referir não apenas ao seu caráter altruístico ou assistencial. Queremos dizer também séria, responsável e honesta, predicados, às vezes, tão escassos, principalmente nas coisas públicas desse país.

Seguramente estivemos lá menos do que deveríamos ter estado. Mas o suficiente para presenciarmos a abnegação, o entusiasmo e dedicação de todo o seu corpo de servidores, que consegue amenizar as enormes dificuldades daquelas crianças e das suas famílias, fazendo-as sorrirem até.

Ao enfrentarem, em 1997, aquela tão grande perda, Álvaro e Marlene, comovidos com tanta solidariedade e tocados pela mão de Deus, imaginaram que poderiam criar algo nobre, mas talvez não que fossem conceber uma outra família. Uma família de doentes, dirão os mais apressados. “Sim”, disse um dia Humberto de Campos: “uma família de doentes, uma família que não acaba nunca”.


Evandro Magalhães Dantas e Solange Augusta Oliveira Magalhães




Mais Depoimentos



  • Ana Paula Pedrosa - jornalista

    Ana Paula Pedrosa - jornalista

    Nos últimos anos, tenho aprendido muito na Fundação Sara Albuquerque Costa, conversando com voluntários, pais, médicos e, principalmente, aprendendo....


  • Juliany Nunes - Psicóloga

    Juliany Nunes - Psicóloga

    Quando me propus a trabalhar na Fundação Sara, acreditava que seria uma experiência significativa “ajudar” as famílias. No entanto, descobri....